Conhecimento Virtual

Projeto Conhecimento Virtual Profa. Hélia Cannizzaro
 
InícioCalendárioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 EMERGÊNCIAS HIPERTENSIVAS

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Hélia Cannizzaro



Mensagens : 1065
Data de inscrição : 23/06/2013

MensagemAssunto: EMERGÊNCIAS HIPERTENSIVAS   Sex Out 25, 2013 6:49 pm

EMERGÊNCIAS HIPERTENSIVAS
A HA (hipertensão arterial) ameaça a vida do enfermo se não for tratada imediata e adequadamente. O quadro se caracteriza por cefaleia intensa, náusea, vômito e perturbações neurológicas que podem evoluir pra o coma e a morte. O valor da pressão diastólica, com maior e menores sintomas, varia de paciente para paciente. Em situações mais graves, a encefalopatia hipertensiva (EH) é uma síndrome clínica de etiologia desconhecida por uma resposta anormal da auto-regulação circulatória cerebral em decorrência da elevação súbita da PA (pressão arterial). A teoria mais aceita é a do espasmo arteriolar (vasoconstricção arteriolar, aumento da pressão intracapilar e edema cerebral). Esta grave patologia manifesta-se por cefaleia intensa (dor de cabeça), generalizada, de início súbito, náusea, vômito, graus variáveis de distúrbio de consciência, distúrbios visuais, perturbações neurológicas. A radiografia de crânio e o ecoencefalograma são normais. O EEG (eletroencefalograma) registra ondas difusas teta ou delta. A evolução para trombose cerebral leva a um abaixamento acentuado da PA agravando a doença, e é fator patognomônico (específico) na evolução para esta doença. Os sintomas no tumor cerebral ou no hematoma subdural não são súbitos (DD importante = diagnóstico diferencial). A EH exige tratamento imediato e adequado até obter ma pressão diastólica que deve situar-se entre 80 e 100mmHg. O paciente deve ser mantido no CTI para assegurar a contínua função vital.
Medicação anti-hipertensiva (por via parenteral - IV intravenosa ou IM intramuscular)
1. Diazóxido - anti-hipertenivo potente considerado de escolha na crise hipertensiva aguda. Atua diretamente na túnica média arteriolar levando redução da resistência vascular periférica (RVP) e vasodilatação periférica. É de uso IV, o efeito surge após 3 a 5 minutos e persiste por 3 a 8 horas (dose média 300mg ou 5,0mg/Kg). Se a pressão diastólica não baixar para 115mmHg, administrar 100 a 115mmHg nas 72 horas seguintes. Os efeitos colaterais podem ser dor e queimação por extravasamento no local da aplicação (solução alcalina), náusea e vômito (vasodilatação gástrica), hiperglicemia transitória (controle rigoroso em diabéticos), hipotensão postural, parada do trabalho de parto em 50% das gestantes. Sempre associar com furosemida 40 a 80mg IV para evitar a retenção de Na+;
2. Nitroprussiato de sódio - divide com o diazóxido a preferência terapêutica. Têm a vantagem de não aumentar a frequência e o débito cardíacos devido a vasodilatação pós-capilar e diminuição do retorno venoso. Se faz infusão IV contínua de 10 gotas por minuto de solução contendo 50 a 100mg%. O efeito é instantâneo. Cautela com pacientes com insuficiência coronária ou cerebral. Os efeitos colaterais podem ser náusea, vômito, tremor muscular, apreensão e sudorese;
3. Hidralazina - anti-hipertensivo potente indicado de preferência na crise hipertensiva da glomerulonefrite aguda e toxemia gravídica por sua ação no fluxo sanguíneo renal. Age na túnica média arteriolar diminui a resistência vascular periférica total (RVPT). Ao diminuir a RVPT provoca resposta reflexa simpática com aumento da frequência e débito cardíaco (mas, não agravaria a vasoconstricção arteriolar e resistência pós capilar?), maior força de contração do miocárdio (cautela em pacientes com doença isquêmica do coração). No uso IV, dissolver 40 a 100mg em 01 litro de soro glicosado e infundir 0,5mg por minuto e interromper quando a PA cair ou injetar 10 a 40mg IM. O uso simultâneo de RESERPINA atenua os efeitos colaterais como, taquicardia, cefaleia, rubor palpitações e vômitos;
4. Canforsulfonato trimetafan (Arfonad) - anti-hipertensivo potente considerado droga de escolha no tratamento de EH associada com edema agudo de pulmão (EAP). Uso IV.
5. Reserpina - é o mais utilizado no tratamento de EH. Sua ação é depleção dos depósitos de catecolaminas nas terminações nervosas pós-ganglionares. 2,5mg IM. Efeitos colaterais como sonolência, bradicardia, etc.



Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
EMERGÊNCIAS HIPERTENSIVAS
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Conhecimento Virtual :: Medicina - Turma 133 - UFPE :: CV propriamente dito-
Ir para: